domingo, 6 de outubro de 2013

Certeza

Nesse misto de asfalto e concreto
Abstrato e discreto fico veras
Como a grama dos canteiros
Limitada por um par de meios-fios

Sinto o frio desta cena urbana
O vento que abraça o tempo
Que passa, vida escassa
Sina insana...

O cinza das calçadas nada diz
Lembro do que não fiz
Águas passadas
No presente olho à frente

No tempo que está por vir
Se vou chorar ou sorrir
Não sei, seja o que for
A razão de mim se afasta

Uma certeza porém
Faz companhia
Na dor ou na alegria
Tua presença me basta!

domingo, 8 de setembro de 2013

Avesso

Desconheço o som que não emito
Porém imito do começo
Os que não conheço
Limito-me ao avesso do conflito

E habito no endereço do infinito
Esqueço aflito e demito-me
A preço de um delito

Envelheço ao compasso do meu tempo
Abraço lento as horas que me restam dos meus dias...

Adormeço!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

O teu melhor sorriso

Talvez não seja... tarde demais
Pra ver as flores que abriram na manhã
e coloriram o verde dos campos.

Talvez não seja... tarde demais
Pra ouvir as aves cantado felizes
Só pelo novo dia que vivem.

Melhor é ...te respirar
Melhor a vida pra amar...

Pegar a estrada sem olhar pra trás
As tristezas que um dia
Calaram os teus sonhos demais

Então dê um sorriso
dê um grande sorriso
o teu melhor sorriso...

Talvez não seja tarde pro amor
para um abraço, pra ter um amigo
Ou pra viver um sonho contigo

Talvez não seja tarde demais
Para estender a mão ao faminto
ou pra cuidar do pobre ferido..

Melhor é...te respirar
Melhor a vida pra amar...

Pegar a estrada sem olhar pra trás
As tristezas que um dia
Calaram os teus sonhos demais

Então dê um sorriso
dê um belo sorriso
O teu melhor sorriso.

Há uma vida pulsando lá fora
Já não se pode desperdiçar

Mas veja só
a vida em seu suave perfume
Ata os laços do amor que nos une

Melhor...é te respirar
Te respirar...

Letra de música - Ouvir em:
http://www.goear.com/listen/309c670/o-teu-melhor-sorriso-darci-junior





sábado, 9 de fevereiro de 2013

Vida ligeira

Vida, vida ligeira
Diz o que quer de mim
Mal cochilei na esteira
Parece até brincadeira
Já se afastou de mim.

Vida que me parece
Algo que já não é
Ora apenas objeto
Calçando os pés da mulher
Antes te vi, oh vida!
Metade submergida
No couro de um jacaré

Vida, vida ligeira
Qual o teu querer enfim?
Não desci minha ladeira
Nem alcancei cumieira
E vais embora assim?

Há pouco estavas no campo
Plantada num pé de ipê
Recanto do pirilampo
Refúgio do zidedê

Para onde foste, vida?
Agora despercebida
Em um cômodo qualquer
Numa estante de TV

Vida, vida ligeira
Pó de pirlimpimpim
És assim tão passageira
Vive! Vida derradeira
Do começo meio e fim

Num sorriso pude ver
Brindando à felicidade
Várias vidas desfrutando
Em sua efemeridade
Porém tornaram-se cinzas
Foram só vaidade

Vida, vida ligeira
Diz o que quer de mim
Seja minha companheira
E que de alguma maneira
Possa eu dizer-te sim.